A Arte do Benzimento

Sobre o Benzimento

Os benzimentos ou benzeduras são atos de benzer, de abençoar para proteger quem necessita. Quem benze entrega muito da sua energia a quem dela precisas. É por isso que estes rituais misturados de fé e superstição conseguem ser bastante eficazes quando o bento coloca aí toda a sua força e sua concentração (Menezes, 2017).

O Que é Benzimento?
De acordo com Rainho &  Klukiewicz, a definição de benzimento é o ato de tornar algo bento ou abençoar algo, porém sabemos que é muito mais que isso. É um ato de fé prática, aplicada aos mais necessitados que promovem verdadeiras façanhas a olhos vistos. Apesar de muita gente associar o benzimento a alguma religião, o mesmo pode ser executado por qualquer pessoa que possua fé verdadeira.

Geralmente a pessoa que aplica o benzimento recebe a alcunha de benzedor, benzedeira ou benzedeiro, rezador e até mesmo raizeiro. Esse último, é uma especialidade desenvolvida através do uso de ervas, raízes e frutos para a prática da benzedura.

Já, segundo o Curso de Proteção Espiritual e Benzimento, o Benzimento é uma forma de reza usada desde a colonização do Brasil pelos Pajés e Xamãs. Os escravos usavam o Benzimento para tratar e curar os seus males físicos e espirituais. A palavra Benzer significa tornar algo bento. As igrejas utilizam o Benzimento para purificar ambientes, pessoas e objetos. Exemplo: água benta, medalha benta, benzer a casa assim por diante. Benzer é falar um conjunto de palavras com o objetivo de provocar transformações/mudanças no corpo espiritual e físico. Podemos benzer pessoas, animais, locais e objetos com objetivo do restabelecimento do equilíbrio físico, emocional, espiritual ou até mesmo para obter um campo de proteção para pessoas ou locais. É importante saber que o ato de Benzer não tem nenhuma limitação de tempo ou espaço. Podemos praticar o Benzimento em qualquer dia, hora ou local. O cuidado necessário é de utilizar o conjunto de palavras mais adequado para o tipo de tratamento a ser feito, isto é, utilizar a palavra certa, ou seja, o verbo certo.

Por que o benzimento funciona?

Ainda conforme Rainho &  KlukiewiczO benzimento funciona porque possuímos FÉ!
Não adianta em nada tentar benzer alguém sem acreditar no que se está fazendo. Em alguns casos pode até ajudar, mas entenda que a benção irá encontrar uma enorme montanha para escolar e quando chegar ao topo estará extenuada. Será bem menos eficiente do que poderia ser se não encontrasse tanta resistência. Isso vale também para quem está recebendo o benzimento.

 

As Benzedeiras

A benzedura pode ser caracterizada como uma atividade principalmente terapêutica, a qual se realiza através de uma relação dual – cliente e benzedor. Nessa relação, a benzedeira ou benzedor exerce um papel de intermediação com o  sagrado pela qual se tenta obter a cura, e essa terapêutica tem como processo principal, embora não exclusivo, o uso de algum tipo de prece (Quintana, ).

 

Procedimentos para se Benzer

De acordo com Pai Benedito dos Cruzeiros (p. 4):

Os fundamentos de todo benzimento são o amor incondicional e a fé, a humildade, manifestadas através da concentração e a ligação com o divino e a oração.

Os umbandistas e Espiritualistas já têm esse contato com o benzimento através dos seus Guias Espirituais, pois todos os guias benzem, com exceção aos Guias Espirituais de esquerda também conhecidos como GUARDIÕES, porém estes atuam no benzimento dando a guarda necessária ao Bento (encarnado) para a realização do trabalho. Essa Guarda é trazida pelo Bento Espiritual que esta presente em todo e qualquer benzimento que é iniciado, podendo este bento ser um espírito amigo como por exemplo um PAI ou MÃE VELHOS.

No benzimento, além das orações, cantos e ladinhas também são utilizados outros elementos que tomam função magistica e religiosa através das mãos do Bento. Esses elementos podem ser de inúmeras funções ou origens, podendo ser ervas, crucifixos, facas, terços, legumes, frutas, pós, águas, pedras, flores, garrafadas, bebidas, toalhas, etc., tudo que for de bom senso e intuído pelo Bento Espiritual. Qualquer objeto ou elemento pode ser tornar abençoado na mão de um Bento, a partir da solicitação do mesmo para que aquele objeto atue naquele momento ou ainda podendo ser solicitado que aquele objeto se torne um amuleto ou um campo de irradiação, isso quando benzido uma corrente, uma imagem ou até mesmo um fruto ou água.

Os benzimentos podem ser feitos diretamente no beneficiado ou assistido, à distancia com nomes, fotografias, roupas ou até mesmo pelo pensamento em quem deve receber a benção. O tempo de duração de um benzimento não é fixo, podendo ser de minutos ou até uma hora, dependendo de cada caso, podendo ser repetido por mais 3, 5, 7, 14 ou até 21 dias. Nos casos mais longos normalmente são tratados doenças em estado mais delicado. Sugerimos o ciclo de 7 dias, pois neste período renovam-se as energias no campo vibratório do assistido.

A postura de um Bento deve ser sempre de serenidade, respeito e atenção a pessoa que receberá a benção, devendo manter a atenção e concentração naquele ato, e estar preparado para o benzimento através do pensamento, da fé e da própria proteção. Deve conversar com calma com a pessoa, procurando estar em sintonia com seu Bento Espiritual para que já na conversa consiga intuir o que será necessário fazer por aquela pessoa.

As orações e a fé do Bento podem ser direcionadas a santos católicos, Orixás, Anjos ou Forças Divinas das quais o Bento mais se afinizar e em acordo com a necessidade do assistido. As orações são feitas pela intuição, podendo ser acompanhadas por orações já codificadas no astral pela força que tem, como o Pai Nosso, a Ave Maria, o Credo, a Oração de São Jorge ou outras. Podendo ser proferidas em tom audível ou não, mas a recomendação é sempre seguir a intuição. Antes de todos os benzimentos o Bento deve se benzer fazendo uma oração e pedindo para que seja um instrumento de Deus em auxilio à aquela pessoa, mas que seja feita a vontade de Deus acima da sua própria vontade. Esse procedimento é obrigatório e a “salva-guarda” para que cargas e processos da Lei não sejam absorvidos pelo Bento. Esse procedimento deve se repetir ao final do benzimento, novamente se benzendo e agradecendo por ter sido instrumento de Deus.

Procedimento Geral para o benzimento:

Ainda conforme Pai Benedito dos Cruzeiros (p. 4):

Independentemente do elemento utilizado (lembramos que não se utiliza sangue ou elementos cárneos nos benzimentos), o Bento vai cruzando a pessoa, benzendo proferindo a oração e outras intuições circulando devagar toda a pessoa. O ato de cruzar toda a pessoa faz com que nenhum campo escape da ação do benzimento.

Enquanto cruza e profere as orações, vai pedindo que se abram os caminhos da pessoa, que ela alcance a cura das doenças, que ela seja  amparada pelos espíritos de Luz, enfim, pedindo que se corte o mal que a aflige e pedindo também os benefícios posteriores pra vida dela.

Enquanto circula em volta da pessoa, deve procurar pegar todos os campos, abaixando, cruzando laterais, costas, sempre pegando o alto e o embaixo, o tempo todo repetindo as orações e os clamores e ainda cruza e traz também entre as pernas, na altura do joelho, no alto sempre acima da cabeça da pessoa, fazendo os 360° em volta da pessoa, indo pela direita ou esquerda dependendo da intuição.

Sempre atento as inspirações e intuições que podem indicar a parada em determinados pontos com mais afinco. Enquanto esta benzendo uma pessoa, casa ou objeto, não se deve parar o benzimento, caso a pessoa sinta-se mal, deve-se colocá-la sentada e continuar o benzimento. Enquanto esta benzendo a pessoa, não se deve pedir pela casa dela, deve-se nesse momento trabalhar a pessoa em todos os seus campos pessoais, depois mais especificamente trabalha a casa dela no local ou a distancia.

 


Referências:

  • Curso de Proteção Espiritual e Benzimento. Autor desconhecido.
  • Menezes, Javert de. Arte do Benzimento - Orações, Rezas e Benzeduras. 1º edição. São Paulo: Editora Alfabeto, 2017.
  • Pai Benedito dos Cruzeiros. Benzimento - Teoria e prática. Ditado por Pai Benedito dos Cruzeiros. Ministrado por Géro Maita. Centro Espiritualista de Umbanda - ESPERANÇA.
  • Quintana, Alberto M. A Ciência da Benzedura: mau olhado, simpatias e uma pitada de psicanálise. Bauru, SP : EDUSC, 1999.
  • Rainho, Douglas e Klukiewicz, Rodrigo. Breviários de Benzeduras e orações e compilado - Volume 1.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *