O Naipe de Ouros

 

As cartas numeradas do Naipe de Ouros

ElementoTerra (matéria, a Filha - elemento feminino, passivo e receptivo). É na Terra que se desenvolvem as diferenças.

Palavras-Chave Positivas: conhecimento e habilidade, persistência e estabilidade.

Palavras-Chave Negativas: ansiedade, promessas vazias, egoísmo, orgulho, grosseria, temperamento agressivo.

Função Psicológica: Sensação

Características: Ouros ou Discos representam o que cresce e estabiliza. Também as tradições, fundações, heranças, acumulação de conhecimento, negócios com dinheiro e o desenvolvimento de habilidades.

 

O Significado do Naipe de Ouros

Segundo Pramad (1992, p. 257),

Para os chineses, a Terra representa a perfeição passiva, ou seja, a tendência à fixação e condensação, enquanto o Céu é a perfeição ativa, a tendência ao volátil e à dissolução. As quatros figuras de Discos representam quatro maneiras de abordar a matéria, seja o corpo físico, os assuntos materiais ou a própria segurança interna.

 

E nas palavras de Bartlett (2011, p. 224):

Ouros (também chamado de Discos, Pantáculos ou Moedas) nos fala sobre nossos talentos ou a falta deles, o mundo aparentemente concreto, o que nos faz sentir seguros e o que é confiável, e como podemos servir outras pessoas e a nós mesmos. Este naipe também representa aquelas coisas que definem e moldam o que nós somos.

Pode ser nossa identificação com o trabalho, pessoas, capacidades, talento criativo, ou pode ser a nossa armadura psicológica - o quanto nos sentimos seguros, o que nos dá um senso de propósito ou nos define no contexto de um relacionamento.

A palavra-chave "tangível" também se refere a como vemos o mundo externo a partir do nosso mundo interior. Nós temos uma visão realista da vida, queremos riqueza ou uma melhor conexão com a natureza?

 

A Mitologia do Naipe de Ouros

Este naipe simboliza a história de Dédalo, arquiteto, escultor e artesão ateniense que construiu o Labirinto para o rei Minos de Creta, é uma lenda sutil, e seu herói tem muitas nuances, pois se não chega a ser um homem inteiramente bom, também não é vilão, mas, na realidade, um misto de ambos. Esta história, com seu protagonista criativo e amoral, condiz bem com o naipe de Ouros, pois retrata os problemas, os desafios, as aspirações, as armadilhas e a complexa moralidade da aventura do homem, com seus fracassos e recompensas.

Dédalo pertencia à família real ateniense e era discípulo da própria Atena. Era um ferreiro habilidoso e ainda jovem, tornou-se famoso por sua ingenuidade e destreza. A fama, no entanto, foi destruída pela própria ambição e por sua falta de caráter. Ele tinha um sobrinho, Talo, que embora estivesse com apenas 12 anos de idade, já seguia os passos do tio. Mas com inveja do sobrinho, o matou, atirando-o do telhado do templo de Atena. O crime foi descoberto, e Dédalo, preso em flagrante, foi levado ao tribunal. Foi condenado ao exílio perpétuo. Antes de ser executada a sentença, ele conseguiu fugir e se refugiou em Creta, junto ao rei Minos, que o acolheu e para quem prestou relevantes serviços.

E foi quando a desgraça caiu sobre a cabeça de Minos - o episódio é mencionado na carta A Torre, dos Arcanos Maiores, quando Minos ofende Poseidon ao recusar sacrificar o touro branco no altar do deus. Poseidon ofendido, amaldiçoou o rei, fazendo que sua mulher, se apaixonasse pelo touro. Com vergonha, a rainha suplicou que Dédalo fabricasse uma vaca de madeira para que ela pudesse consumar sua paixão pelo animal.

Dessa amaldiçoada união nasceu o Minotauro. E o rei sem saber da participação do protegido, lhe pediu que construísse um Labirinto, para esconder a criatura, onde quem entrasse não conseguiria achar a saída. Mas novamente Dédalo trai seu rei, com a chegada de Teseu, que veio com a missão de matar o Minotauro. A filha do rei se apaixonou por ele e pediu a Dédalos que o ajudasse a cumprir sua missão - traindo seu rei. O herói entregou um novelo de fio de ouro à princesa e a outra ponta, Teseu segurava ao entrar no Labirinto, onde matou a terrível criatura.

O rei descobriu a traição, mas Dédalo conseguiu fugir e pedir asilo ao rei Cócalo que ordenou que as filhas matassem o rei Minos (Sharman-Burke & Greene, 1988).


Referências:

  • Bartlett, Sarah. A Bíblia do Tarô: o guia definitivo das tiragens e do significado dos arcanos maiores e menores. São Paulo: Pensamento: 2011.
  • Pramad, Veet. Curso de Tarô. O Tarô e seu uso terapêutico. 1992.
  • Sharman-Burke, Juliet; Greene, Liz. O tarô mitológico. São Paulo: Siciliano, 1988.
  • Imagem: Reprodução / Ás de Ouros do Tarô de Crowley

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *